SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número1Desarrollo de la resección colo-rectal mínimamente invasiva en un servicio de cirugía universitarioGastrosquisis: análisis de situación entre los años 2011 y 2016 en el Hospital Pediátrico Pereira Rosell índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Links relacionados

Compartir


Anales de la Facultad de Medicina

versión On-line ISSN 2301-1254

Resumen

OLIVERA, Nancy De et al. Baixas infecções respiratórias agudas em crianças menor de 6 meses hospitalizadas. Análise de fatores de risco de gravidade. Anfamed [online]. 2019, vol.6, n.1, pp.109-129.  Epub 01-Jun-2019. ISSN 2301-1254.  http://dx.doi.org/10.25184/anfamed2019v6n1a4.

Objetivos:

Descrever características clínicas e parceiro ambiental das crianças < de 6 meses hospitalizados para baixa infecção respiratória aguda (IRAB) e para explorar os preditores de severidade.

Metodologia:

observação, transversal, estudo de caso-controle entre 1/5/14 - 5/8/14. Casos (IRAB severo): necessidade para oxigênio do fluxo elevado e/ou sustentação do ventilador. Controlos (IRAB não severos): hospitalizado em cuidados moderados. Histórias clínicas foram revistas e pais foram entrevistados. Foram excluídas as crianças com infecção respiratória intrahospital e comorbidade.

Variáveis:

idade, sexo, TAL pontuação, educação materna, superlotação, tabagismo, prematuridade, número de consultas prévias à admissão, atraso na consulta, diagnóstico etiológico de renda. Processamento de dados: software SPSS.

Resultados:

396 crianças, 167 casos, 229 controles. Idade média (dias) casos: 77; controles: 76. Explorar modelos binários de regressão logística para explicar a presença de IRAB graves foram preditores estatisticamente significativos: número de consultas prévias (p= 0.035) diagnóstico etiológico de admissão (p= 0.003). Modelo não foi satisfatório porque só conseguiu explicar 4,6% da variabilidade total.

Conclusões:

explorar diferentes modelos estatísticos não encontrou um satisfatório, a variabilidade total explicada pelo modelo é muito baixa. O modelo não introduziu factores ambientais considerados “a priori” relevantes (hábito de fumar, superlotação) nem o resto das variáveis estudadas: escolaridade e idade materna, estado nutricional para rendimentos, prematuridade e factores comportamental como o atraso na consulta. Diagnóstico de admissão e número de consultas prévias à admissão foram significativos. Estudos futuros, com amostras mais representativas, são necessários para aprofundar o conhecimento dos fatores preditivos da gravidade.

Palabras clave : infecção respiratória aguda baixa; grave. Fatores de risco em crianças menores de 6 meses hospitalizadas..

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )