SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número1Desarrollo de la resección colo-rectal mínimamente invasiva en un servicio de cirugía universitarioGastrosquisis: análisis de situación entre los años 2011 y 2016 en el Hospital Pediátrico Pereira Rosell índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Anales de la Facultad de Medicina

versión On-line ISSN 2301-1254

Resumen

OLIVERA, Nancy De et al. Baixas infecções respiratórias agudas em crianças menor de 6 meses hospitalizadas. Análise de fatores de risco de gravidade. Anfamed [online]. 2019, vol.6, n.1, pp.109-129. ISSN 2301-1254.  http://dx.doi.org/10.25184/anfamed2019v6n1a4.

Objetivos:

Descrever características clínicas e parceiro ambiental das crianças < de 6 meses hospitalizados para baixa infecção respiratória aguda (IRAB) e para explorar os preditores de severidade.

Metodologia:

observação, transversal, estudo de caso-controle entre 1/5/14 - 5/8/14. Casos (IRAB severo): necessidade para oxigênio do fluxo elevado e/ou sustentação do ventilador. Controlos (IRAB não severos): hospitalizado em cuidados moderados. Histórias clínicas foram revistas e pais foram entrevistados. Foram excluídas as crianças com infecção respiratória intrahospital e comorbidade.

Variáveis:

idade, sexo, TAL pontuação, educação materna, superlotação, tabagismo, prematuridade, número de consultas prévias à admissão, atraso na consulta, diagnóstico etiológico de renda. Processamento de dados: software SPSS.

Resultados:

396 crianças, 167 casos, 229 controles. Idade média (dias) casos: 77; controles: 76. Explorar modelos binários de regressão logística para explicar a presença de IRAB graves foram preditores estatisticamente significativos: número de consultas prévias (p= 0.035) diagnóstico etiológico de admissão (p= 0.003). Modelo não foi satisfatório porque só conseguiu explicar 4,6% da variabilidade total.

Conclusões:

explorar diferentes modelos estatísticos não encontrou um satisfatório, a variabilidade total explicada pelo modelo é muito baixa. O modelo não introduziu factores ambientais considerados “a priori” relevantes (hábito de fumar, superlotação) nem o resto das variáveis estudadas: escolaridade e idade materna, estado nutricional para rendimentos, prematuridade e factores comportamental como o atraso na consulta. Diagnóstico de admissão e número de consultas prévias à admissão foram significativos. Estudos futuros, com amostras mais representativas, são necessários para aprofundar o conhecimento dos fatores preditivos da gravidade.

Palabras clave : infecção respiratória aguda baixa; grave. Fatores de risco em crianças menores de 6 meses hospitalizadas..

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )