SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.89 número2Anemia, estado nutricional y parasitosis intestinales en niños pertenecientes a hogares vulnerables de Montevideo índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Links relacionados

Compartir


Archivos de Pediatría del Uruguay

versión impresa ISSN 0004-0584versión On-line ISSN 1688-1249

Resumen

MOROSINI, Fabiana et al. Ventilação não invasiva e oxigenoterapia de alto fluxo em crianças em consultórios de atenção de nível moderado. Experiência na Unidade de Cuidados Respiratórios Especiais Agudos do Hospital Pediátrico do CHPR durante 2013-2016. Arch. Pediatr. Urug. [online]. 2018, vol.89, n.2, pp.78-85. ISSN 0004-0584.  http://dx.doi.org/10.31134/ap.89.2.2.

Introdução:

as infecções respiratórias agudas baixas (IRAB) são um importante problema de saúde no inverno. O centro de referência nacional no Uruguai oferece ventilação não invasiva (NIV) e cânula nasal de alto fluxo (CNAF) em cuidados moderados às crianças com IRAB.

Objetivo:

descrever as características clínicas, tratamento e evolução das crianças atendidas na Unidade Especial de Tratamento Respiratório Agudo (CREA) do Hospital de Referência Nacional de Pediatria.

Pacientes e métodos:

estudo retrospectivo, descritivo. No estudo foram incluídas todas as crianças hospitalizadas por causa da IRAB atendidas no CREA que receberam VNI e / ou CNAF entre 1/1/13 e 31/12/16. Foram revisadas as histórias clínicas. Variáveis: características clínicas, tratamentos, complicações, evolução e destino.

Resultados:

650 crianças foram atendidas (348 com CNAF, 302 com NIV); sexo masculino 63% (407). Bronquiolite 63% (406), o Vírus Respiratório Sincicial (VRS) foi detectado em 60% (388). Idade média em crianças que receberam CNAF: 11 meses (9 dias-108 meses); Duração média da técnica: 3 dias. Necessidade para admissão nas unidades de terapia intensiva (UTI): 12% (43); assistência ventilatória mecânica (MAV) 6% (22). Idade média em crianças que receberam VNI: 12 meses (1-132 meses); duração média da técnica: 3 dias. Deveram ser admitidos na UTI: 16% (49); AVM 9,6% (29). Nenhuma morte ou complicações sérias foram registradas.

Conclusões:

85% das crianças completaram o tratamento na unidade CREA. A porcentagem de crianças que necessitaram de AVM foi baixa. A implementação dessas técnicas em cuidados moderados reduziu a necessidade de internação na UTI e, provavelmente, a necessidade de MAV.

Palabras clave : Oxigenoterapia; Ventilação não invasiva; Criança hospitalizada.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )