SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.72 número2Adolescencia: una experiencia de trabajo interdisciplinarioEnfermedad diarreica aguda: Características de la población asistida en el CASMU. Abril 1997 - Abril 1998 índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Archivos de Pediatría del Uruguay

versión On-line ISSN 1688-1249

Resumen

SEHABIAGUE, GRACIELA; BELLO, OSVALDO; GORGAL, NELLY  y  CALIGARIS, MERY. Neumonía en la infancia: Comparación de la asistencia domiciliaria y hospitalaria. Arch. Pediatr. Urug. [online]. 2001, vol.72, n.2, pp.102-109. ISSN 1688-1249.

Para demonstrar que é possivél realizar tratamento ambulatorio em crianças portadoras de pneumonia, usuários dependentes do Ministério de Saúde Pública  e propor um sistema organizado de atenção domiciliar, realizou-se um estudo prospetivo, comparativo e randomizado em quarenta crianças de ambos sexos com mais de seis meses e menos de seis anos. Vinte foram admitidos no hospital e vinte assistidos em casa. Incluíram-se crianças com pneumonia presuntamente bacteriana por critérios clínicos e radiológicos. A todos os pacientes realizou-se história clínica, radiologia de tórax, hemograma e hemocultivo. As crianças admitidas, com menos de cinco anos receberam ampicilina i/v 300 mg/kg/dia e os com mais de cinco anos penicilina cristalina i/v 200.000 U/kg/dia em três doses diarias, durante dez dias. Todos os pacientes foram controlados no segundo, quarto e décimo dias de iniciado o tratamento. As quatro coortes foram compáraveis não aparecendo diferências significativas em nenhuma das variáveis tidas em conta. Os quarenta pacientes que foram seguidos pelos próprios médicos que os receberam, não apresentaram desviação significativa na evolução. A evolução clínica de ambos grupos foi semelhante, não se registraram fracassos ou complicações. Todos os pacientes melhoraram sem evidência de efeitos adversos aos medicamentos utilizados. Conclusão, é possível, respeitando os critérios estabelecidos, realizar tratamento domicilar da pneumonia presuntamente bacteriana, em crianças com mais de seis meses e menos de seis anos, ainda com risco social, polipnea, retracções, e consolidação radiológica. O êxito do tratamento, fundamenta-se em um adequado controle no domicílio por profissionais capacitados. Propõe-se um sistema organizado de seguimento domiciliar para o tratamento de crianças usuárias do Sistema Público, portadoras de pneumonia.

Palabras clave : PNEUMONIA; TRATAMENTO DOMICILIAR.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )

 

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons