SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número1Cuatro años de experiencia en tratamiento médico del embarazo ectópico en el departamento de PaysandúEstigma y enfermedad mental: intervención en estudiantes de Medicina índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Links relacionados

Compartir


Revista Médica del Uruguay

versión impresa ISSN 0303-3295versión On-line ISSN 1688-0390

Resumen

HARO BELLO, Camila et al. Morbimortalidade da colecistectomia laparoscópica eletiva em um serviço universitário. Rev. Méd. Urug. [online]. 2021, vol.37, n.1, e202.  Epub 01-Mar-2021. ISSN 0303-3295.  http://dx.doi.org/10.29193/rmu.37.1.2.

Introdução:

a colecistectomia laparoscópica (CL) é a cirurgia mais comum do trato digestivo. Apesar de ser considerado um procedimento seguro, a morbidade descrita é de 10%, e não há um registro nacional.

Objetivo:

descrever a incidência de complicações e morbimortalidade das CL eletivas, em uma população não selecionada em serviço universitário.

Método:

estudo observacional retrospectivo de pacientes submetidos à CL eletiva, realizado no período 1 de janeiro de 2010 - 31 de dezembro de 2019 na Clínica Cirúrgica B do Hospital de Clínicas e Unidade Docente Assistencial de Cirurgia do Hospital Espanhol. Foram incluidas variáveis demográficas, diagnóstico operatório, conversão, morbimortalidade, reoperações e reinternações.

Resultados:

foram incluidas 1.499 LCs eletivas, a idade média dos pacientes foi 49 anos (15-87), sendo 79% mulheres com incidência de cálculos biliares principais (LVBP) em 210 (17%) casos; 25 conversões (1,7%). Houve um total de 64 complicações (4,3%) com uma incidência significativamente maior em pacientes com LVBP (2,8% vs 7,6%, p 0,01). Ocorreram duas lesões hepato-colédoco (0,13%) (Hannover tipos D e C), ambas detectadas e reparadas na mesma cirurgia, e três lesões viscerais (0,20%). Ocorreram 16 readmissões (1,07%) e 9 reoperações (0,6%). Dois pacientes morreram (0,13%) no pós-operatório (insuficiência hepatocítica crônica descompensada e pancreatite pós-operatória grave por CPRE).

Conclusões:

a LC na população não selecionada do serviço universitário analisado neste estudo, mostrou-se como um procedimento seguro, com índices de complicações, reoperações e reinternações que neste estudo se comparam favoravelmente com os relatados na literatura. A presença de litíase no ducto biliar principal foi associada a uma incidência significativamente maior de complicações pós-operatórias e de maior gravidade.

Palabras clave : Colecistectomia Laparoscópica; Complicações pós-operatórias; Morbidade e mortalidade.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )