SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 número1Progesterona para el tratamiento del trauma craneoencefálico grave: una revisión sistemática y metaanálisisBiopsia endobiliar con pinza por acceso percutáneo: primera experiencia en Uruguay índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Links relacionados

Compartir


Revista Médica del Uruguay

versión impresa ISSN 0303-3295versión On-line ISSN 1688-0390

Resumen

BRIOZZO, Leonel  y  VIROGA, Stephanie. Abordagem obstétrica integral da prematuridade e restrição do crecimiento fetal e sua relação com as doenças crônicas do adulto. Rev. Méd. Urug. [online]. 2020, vol.36, n.1, pp.216-234.  Epub 01-Mar-2020. ISSN 0303-3295.  http://dx.doi.org/10.29193/rmu.36.1.9.

As síndromes obstétricas de parto de pré-termo (PP) e de restrição do crescimento fetal (RCIU) compartem mecanismos etiopatogênicos e fisiopatológicos, que muitas vezes interagem e se retroalimentam. Do ponto de vista da etiologia, as condições específicas que as geram podem ser classificadas esquematicamente em inflamação, estresse materno, déficit nas condições socio econômicas e vulnerabilidade de direitos, ação de disruptores endócrinos, alterações da dieta e da microbiota e afecções vasculares. Estas condições, agindo de forma isolada ou mais frequentemente combinada, geram um ambiente materno desfavorável para o desenvolvimento da gravidez provocando efeitos específicos como a reação imune materna, mediada ou não pela presença de infecções, a ativação do eixo hipotálamo - hipófiso - adrenal, a diminuição da ação da progesterona, as disbioses, tanto intestinais como vaginais e a disfunção por envelhecimento placentário. Esse ambiente desfavorável impactará na unidade útero-placento-fetal, produzindo PP ou RCIU, de acordo com a preferência de diferentes respostas. Independentemente de qual das respostas sindromáticas predomine, ambos PP e RCIU, têm em comum o desenvolvimento do feno-genótipo poupador, imprescindível para a sobrevida fetal. O custo desta modulação epigenética é o aumento das doenças crônicas do adulto, que conceitualmente, são patologias transmissíveis pela vulnerabilidade social na qual o ciclo de vida dessas pessoas se desenvolve.

Palabras clave : Retardo do crecimento fetal; Nascimento prematuro; Doenças crônicas; Epigenômica.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )