SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número3Diez años de experiencia de un centro de referencia en hipertensión arterial pulmonar en UruguayHistoria clínica electrónica: herramienta para la continuidad de asistencia índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Links relacionados

Compartir


Revista Médica del Uruguay

versión impresa ISSN 0303-3295versión On-line ISSN 1688-0390

Resumen

MAICHE, Marianela; HERNANDEZ, Marcela  y  MENDOZA, Beatriz. Características e evolução das fraturas de quadril operadas no Banco de Prótesis no período janeiro-junho de 2013. Rev. Méd. Urug. [online]. 2019, vol.35, n.3, pp.82-106.  Epub 01-Sep-2019. ISSN 0303-3295.  http://dx.doi.org/10.29193/rmu.35.3.4.

Introdução:

a fratura de quadril por fragilidade é considerada um marcador de enfermidade osteoporótica em idosos. Determina uma elevada morbimortalidade e altos custos em saúde.

Objetivos:

analisar as características e a evolução posterior a uma fratura de quadril por fragilidade em pacientes >65 anos atendidos no Banco de Prótesis durante o período janeiro-junho 2013.

Métodos:

estudo de seguimento de coorte histórica com 184 pacientes. Os dados foram obtidos dos prontuários de pacientes e o seguimento foi feito por via telefônica. O tempo máximo de seguimento foi de 84 semanas.

Resultados:

82.6% dos pacientes era do sexo feminino; a mediana de idade foi de 80.7 anos para os homens e 82.7 para as mulheres. As comorbidades mais frequentes foram hipertensão arterial e patologia cardiovascular. Não foram observadas diferenças na localização da fratura - direita ou esquerda sendo a maioria fraturas do colo do fêmur. A mediana do tempo de resolução foi de 9 dias para autoplastia e 11 dias para osteossíntese. A queda foi o fator determinante em 94.5% dos casos. Vinte e seis por cento dos pacientes tinham fraturas previas por fragilidade. 85% dos indivíduos não sabia que era portador de osteoporose (OP) e 69% não recebia tratamento para esta enfermidade. 9% foi institucionalizado, 77% retomou a deambulação e 15% faleceu durante o seguimento.

Conclusões:

não se reconhece nem se trata a osteoporose nos pacientes com fratura de quadril por fragilidade.

Palabras clave : Fraturas do quadril; Osteoporose; Idoso; Artoplastia; Fraturas por osteoporose.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )