SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número3SIRS como predictor de severidad en la pancreatitis agudaPrueba de ventilación espontánea en pacientes ventilados: evaluación del cumplimiento de pautas protocolizadas contra análisis del equipo asistencial índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Revista Médica del Uruguay

versión impresa ISSN 0303-3295versión On-line ISSN 1688-0390

Resumen

LOPEZ PENZA, Patricia Alejandra  y  RUSO MARTINEZ, Luis. Cáncer de páncreas: epidemiología de su mal pronóstico. Rev. Méd. Urug. [online]. 2017, vol.33, n.3, pp.38-57. ISSN 0303-3295.  http://dx.doi.org/10.29193/rmu.33.3.3.

Introdução:

o câncer de pâncreas se caracteriza por sua agressividade biológica, mal prognóstico oncológico e diagnóstico tardio. A maioria tem baja taxa de ressecabilidade (10% a 20%), devido a presença de fatores específicos que o impedem no momento do diagnóstico.

Objetivo:

descrição epidemiológica das características do câncer de pâncreas irresecable, os tratamentos paliativos realizados, a sobrevida global e em relação aos procedimentos realizados.

Material e método:

estudo descritivo, multivariável, retrospectivo dos cânceres de pâncreas irresecables, atendidos no período janeiro de 2010 a dezembro de 2015, na Clínica Quirúrgica “3” do Hospital Maciel em Montevidéu, Uruguai.

Resultados:

os 30 pacientes com câncer de pâncreas irressecáveis apresentavam uma distribuição igual por sexo, idade media: 61 anos, cefálicos em 67% dos casos. 53% dos pacientes haviam emagrecido no momento da primeira consulta; 52% apresentavam compromisso ganglionar locorregional e 50% metástases hepáticas e/ou ascite. 52% dos pacientes foram submetidos a algum tipo de derivação biliar; cirúrgica em 53% (63% coledocoduodenostomias) e nos demais percutânea ou endoscópica. 31% dos pacientes não recebeu tratamento cirúrgico nem endoscópico devido ao estado avançado da doença. A sobrevida media do tratamento paliativo cirúrgico ou endoscópico foi de 3,7 meses.

Conclusões:

no momento do diagnóstico do câncer de pâncreas a metade dos pacientes apresentavam metástases e repercussão nutricional severa, com indicadores locorregionais de irressecabilidade ou incurabilidade. Um terço dos casos não recebeu tratamento oncológico devido ao estado avançado da doença. A sobrevida global foi curta. Isto nos permite sugerir que são imprescindíveis medidas sanitárias para seu diagnóstico precoce e aumento da taxa de ressecabilidade.

Palabras clave : Neoplasias pancreáticas; Desvio biliopancreático; Stents; Cuidados paliativos; Prognóstico.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )