SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número2Errores de medicamentos LASA en anestesiología en UruguayCocaína adulterada con levamisol: reporte de tres casos clínicos índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Revista Médica del Uruguay

versión impresa ISSN 0303-3295versión On-line ISSN 1688-0390

Resumen

BAGATTINI, Juan C. et al. Estado de la vitamina D en adultos uruguayos aparentemente saludables, en invierno y en Montevideo. Rev. Méd. Urug. [online]. 2017, vol.33, n.2, pp.104-138. ISSN 0303-3295.

Objetivo:

determinar a prevalência do nível de vitamina D de acordo com os níveis séricos de 25(OH) Vit D total e sua relação com idade, sexo, etnia, índice de massa corporal (IMC), exposição solar e parâmetros do metabolismo de fósforo e cálcio em adultos de ambos sexos, aparentemente saudáveis, durante o inverno na cidade de Montevidéu (latitude sul 34,50°).

Material e método:

estudo descritivo, transversal, com 175/331 adultos (95% ≤ 50), 102 homens e 73 mulheres (95% pré-menopáusicas), caucásicos (84%), exposição solar habitual (43%), IMC (62% >27 kg/m2). Foram determinados os valores de 25(OH) Vit D total, PTHi, calcemia iônica, fosfate mia, magnesemia e eIVFG.

Resultados:

foram obtidos valores de 25(OH) Vit D: 89% <30 ng/mL: deficiência (<14) 25,7%; insuficiência (≥14 - <30) 63,4%; suficiência (≥30 - ≤80) 10,9% (diferencias altamente significativas entre as categorias), sem associação com nenhuma das variáveis estudadas.

Observou-se uma correlação negativa e altamente significativa da PTHi a calcemia iônica, porém sua correlação inversa com 25(OH) Vit D não mostrou valores significativos. Não se observou hiperparatiroidismo secundário ao déficit.

Conclusões:

a população aparentemente saudável, no inverno, apresentou uma prevalência muito alta de baixo nível de vitamina D, sem correlação significativa com nenhuma das variáveis estudadas.

A PTHi apresentou respostas individuais diferentes considerando distintos níveis de 25(OH) Vit D, não sendo por isso um bom biomarcador do estado de Vit D no organismo.

Com estes resultados, que concordam com os descritos na literatura e considerando a impossibilidade da triagem na população em geral devido aos altos custos surgem algumas dúvidas sobre que decisões tomar - realizar suplementação profilática em todas as idades, de que maneira, quanto repor, até que níveis, valores >30 ng/mL protegem igualmente a saúde óssea e a extra-óssea? A controvérsia persiste.

Palabras clave : Vitamina D; Adultos; Inverno; População urbana; Insuficiência de vitamina D; Hormônio paratireóideo; Cálcio ionizado.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )