SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número2Pronunciamiento del Departamento de Medicina Legal y Ciencias Forenses sobre la práctica de exámenes corporales periciales sin consentimientoCáncer de mama y ovario hereditario en Uruguay: resultados del screening para mutaciones en genes de susceptibilidad por secuenciación de nueva generación índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Revista Médica del Uruguay

versión impresa ISSN 0303-3295versión On-line ISSN 1688-0390

Resumen

MALVASIO, Silvina et al. Características clínico-patológicas y evolución del cáncer de mama en mujeres uruguayas jóvenes. Rev. Méd. Urug. [online]. 2017, vol.33, n.2, pp.17-39. ISSN 0303-3295.

Introdução:

no Uruguai o câncer de mama (CM) é a principal causa de morte das mulheres por este tipo de patologia. Aproximadamente 5,4% dos casos são diagnosticados em mulheres com menos de 40 anos, ou seja, mulheres em idade reprodutiva e economicamente ativas.

Objetivo:

pesquisar a frequência, características clínico-patológicas e evolução de pacientes uruguaias diagnosticadas com CM antes dos 40 anos e sua sobrevida de acordo com o subtipo biológico.

Material e método:

foram coletados dados relacionados com as características clínico-patológicas e a evolução de pacientes com menos de 40 anos tratadas por CM no período 1º de janeiro de 2006 - 31 de dezembro de 2012 atendidas nas instituições participantes. A sobrevida global (SVG) e a sobrevida livre de doença (SVLE) foi calculada para todas as pacientes, e segundo o subtipo biológico.

Resultados:

107 pacientes foram incluídas com idade mediana 35 anos (intervalo 24 a 39 anos); as características clínico-patológicas foram: carcinoma ductal: 89,7%; GH 2-3: 93,5%; estadio: II-III: 75%; comprometimento axilar: 57%; HER2- RE/RP+ 53%; HER2+ 24,5%, e triplo negativo (TN) 22,5%. 17% das pacientes apresentavam antecedentes familiares (AF) significativos e todas foram tratadas observando-se as pautas vigentes. A SVG e a SVLE aos cinco anos para o total de pacientes foram 79% e 72%, respectivamente. A SVG e a SVLE foram 97% e 90%, respectivamente, para as pacientes ER/PR+/HER2-; 54% e 49% para as HER2+, e 60% e 20% para as TN. As curvas de SVLE foram similares para as pacientes TN e HER2+, porém as pacientes ER/PR+/HER2- apresentaram SVG e SVLE maiores (Log Rank, p < 0,0001).

Conclusões:

as pacientes uruguaias diagnosticadas com CM antes dos 40 anos incluídas neste estudo apresentaram SVG e SVLE menores às registradas para pacientes da população em geral e com idades superiores. Embora a pior evolução esteja vinculada ao diagnóstico tardio, a maioria das pacientes estudadas foi diagnosticada em estádios localizados e todas receberam tratamento de acordo com as pautas vigentes. Por outra lado, a proporção de subtipos desfavoráveis (TN y HER2+) foi maior ao informado para mulheres de todas as idades com CM, por isso uma pior evolução poderia estar relacionada com o perfil biológico.

Palabras clave : Neoplasias da mama; Mulheres jovem; Sobrevida.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )