SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número1Factores pronósticos en radioterapia del cáncer de próstata. Importancia de la dosis y de la hormonoterapia de inducciónCADASIL: comunicación de una familia uruguaya con definición clínica, imagenológica, anatomopatológica y genética molecular índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Links relacionados

Bookmark

Revista Médica del Uruguay

versão impressa ISSN 0303-3295

Resumo

TOLEDO, Nelson et al. Monitoreo de anticuerpos HLA en insuficientes renales crónicos en lista de espera uruguaya para trasplante renal 2005. Rev. Méd. Urug. [online]. 2008, vol.24, n.1, pp. 15-23. ISSN 0303-3295.

Resumo Introdução: no transplante renal, a pesquisa de anticorpos (Ac) contra Human Leucocyte Antigen (HLA) em pacientes em lista de espera é necessária para alocar o órgão e para a adequar o tratamento imunomodulador visando uma sobrevivência mais longa do transplante. Material e método: realizamos pesquisa de anticorpos HLA em 488 pacientes em lista de espera nacional de transplante renal (2005). Definimos como imunizados os pacientes com reatividade > 20% (41 pacientes), e altamente imunizados com > 80% (6 pacientes),empregando a técnica de microlinfocitotoxicidade contra painel de linfocitos, detectando especificidade por ELISA e citometria de fluxo. Resultados e conclusões: detectamos anticorpos HLA classe I e II por ELISA, e identificamos especificidade HLA por citometria de fluxo: 41 (8,4%) pacientes imunizados tinham anticorpos HLA classe I e 22 (4,5%) classe II. As especificidades desses anticorpos más freqüentes foram: A24, A23, BW6, B44, CW6, CW2, DR8, DR7, DQ2, DQ7. Comparamos a distribuição por idade, sexo, retransplante, grupo sanguíneo, transfusões anteriores, tempo na lista de espera e diagnóstico na população imunizada com relação a não imunizada. Constatamos que no grupo de imunizados predominam os candidatos a um segundo transplante (X2=130,47), os que receberam transfusões previas (X2=119,2) e os que estavam a mais tempo na lista de espera (p<0,0001). Não observamos diferenças na distribuição por idade, sexo nem pelo diagnóstico etiológico da insuficiência renal crônica, predominando a nefropatia indeterminada e as glomerulopatias. A distribuição por grupo sanguíneo mostrou diferenças significativas: o grupo de imunizados tinha mais pacientes do grupo 0 (X2 =7,9) e menos do grupo A (X2 =3,94).

Palavras-chave : INSUFICIENCIA RENAL CRÓNICA [ inmunología]; TRASPLANTE RENAL [ inmunología]; ANTÍGENOS HLA.

        · resumo em Espanhol | Inglês | Francês     · texto em Espanhol     · pdf em Espanhol