SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número1¿Es necesario utilizar relajantes musculares en infusión continua durante la anestesia en pacientes sometidos a cirugía cardíaca?Guía para la evaluación y preparación preoperatoria de los pacientes neuroquirúrgicos de coordinación índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Anestesia Analgesia Reanimación

versión impresa ISSN 0255-8122

Resumen

SARALEGUI, José; PRESTES, Ivana; COLI, Andrea  y  GONZALEZ, Leandro. Perioperatorio de trasplante renopancreático. Anest Analg Reanim [online]. 2011, vol.24, n.1, pp. 4-4. ISSN 0255-8122.

RESUMO  O transplante renopancreático é o tratamento de escolha para o paciente diabético com insuficiência renal crônica. No hospital Universitário, de junho de 2002 a maio de 2010 foram realizados 35 transplantes renopancreáticos simultâneos. Os receptores apresentavam uma longa evolução do diabetes e encontravan-se em diálise, com uma alta incidência de patologia médica associada. Todos os pacientes foram submetidos a anestesia geral e a monitorizacão básica se acrescentou uma via arterial, uma via venosa central para clinica seriada. Foi administrado insulina em infusão continua para controle da glicemia. A duração média do procedimento foi de 407.9 ± 76.4 min. A reposição intraoperatoria foi realizada basicamente com cristalóides e colóides (4.665 ± 2127 ml e 1015 ± 492 ml respectivamente). Em 21 pacientes (60%) se administrou glóbulos vermelhos (858 ± 502 ml). O balanço médio foi positivo: 1.430 ± 832. Utilizou-se doses tituladas de drogas vasoativas além do volume, para manter a estabilidade hemodinâmica. 8 pacientes (22.8%) apresentaram hipotensão severa transitória; 14 pacientes (40%) apresentaram acidose metabólica , 8 pacientes (22,8%) apresentaram hipocalemia leve e 3 (8,5%) hipoglicemia. 23 pacientes (65%) necessitaram pelo menos uma reintervencão na internação inicial. A mortalidade global foi de 11,4% (4 pacientes): 2,8% (1 paciente) nas primeiras 48 horas. 8 pacientes (22,8%) apresentaram insuficiência renal desde o inicio do pós-operatório. Foram perdidos 15 pâncreas (42,8%); 5 deles (14,2%) nas primeiras 48 horas. Atualmente sobrevivem 31 paciente (88%), 25 preservam a função renal (80,6%) e 20 a função pancreática (64,5%). Revelou-se uma alta incidência de complicações anetésico-cirúrgica precoce, oque tem grande importância nos resultados de curto e longo prazo

Palabras llave : transplante renopancreático; hemodinâmica perioperatória; anestesia; complicações.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · pdf en Español